3 de set de 2009

Crise da meia idade

Reli reflete sobre essa tão falada crise. Faz sentido. Reli foi buscar num site de astrologia sobre a crise da meia idade e constatou que todas as suas dúvidas dizem respeito ao que estava escrito. Reli sentiu-se mais aliviada. Parece que faz parte dessa fase da vida ter dúvidas, questionar seu passado e futuro, sentir-se insatisfeita com as circunstâncias atuais, se perceber mais velha, não saber o que buscar mas querer buscar algo novo, querer mudar tudo, ver seu ego sendo dissolvido e o que era, não fazer mais sentido. No site também falou que não há o que se faça, que devemos nos deixar levar pelas águas. E isso fez sentido pra Reli, pois é assim que se sente, não consegue decidir nada, está como que encoberta por núvens que alguma hora passarão. Reli se percebeu vivendo situações que o site falou. Volta de vivências do passado, busca de espiritualidade, mudança de hábitos, um novo hobby ou trabalho e uma sensação enorme de "Quem sou eu?", ou melhor, "Quem quero ser?". Na prática, Reli cortou bastante seu cabelo, resolveu deixá-lo da cor natural, mesmo que fiquem alguns brancos, por enquanto, Reli fez novas fotos, coisa que sempre relutou, Reli está dando vazão à sua veia artística escrevendo, coisa que havia deixado de lado, Reli deixou os pesos de uma vida inteira e entrou na Yoga, Reli descobriu uma nova maneira de buscar a espiritualidade sem religiões, a Yoga com o seu estar no momento presente em contato com o si mesmo, Reli cozinha pra seu parceiro como uma típica dona de casa, coisa que sempre relutou, e,  Reli mudou de cidade. Reli também percebe essas passagens em seu parceito que acompanha sua idade, portanto, a crise. É o famoso espelho: vivemos dentro um sentimento e do lado de fora existe uma situação tal qual. Por muito tempo Reli só viu o lado de fora. Mas hoje consegue perceber dentro também. É uma vantagem, pois, são os dois lados da moeda. Assim fica mais fácil lidar. Se não encontrar fora ou dentro a resposta, busca no outro lado da moeda. E como Reli sabe que o que está fora é como o que está dentro, não cabe jogar responsabilidades encima dos outros. Está tudo certo. É assim que tem que ser pros envolvidos. Ninguém está ali por acaso, e cada um com suas responsabilidades. E não existem culpados. E cada um vai colher o que plantou. Mas, fácil não é. Devemos também nos desapegar do que não serve mais porque isso é o que causa sofrimento, mas não conseguimos perceber o que é o que pra largar. Não devemos esquecer que errar é humano. São as nuvéns que encobrem nossa visão. Mas Reli leu que elas passam, e um dia o céu fica claro. E a fila anda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário