22 de out de 2009

Tudo ao mesmo tempo

Reli reflete sobre tempos em que conseguimos perceber o andamento da vida. Mesmo que confuso. Nesta semana Reli percebeu uns fatos sincrônicos, e mais, achou que era a vida em forma de poesia. Ficou encantada. Claro que na vida de Reli, suas mudanças, vêm acompanhadas de sintomas em seu corpo. Sintomas esses em forma de certas dores familiares a ela. Reli espera um dia passar por mudanças sem precisar sacrificar seu corpo. Isso será culpa? Não merecimento? Enfim, uma bobagem que a mente de Reli faz refletir em seu corpo. Mas, falando em dores, nesta semana, o desconforto em questão é enxaqueca com episódios febris, enjôos,  e perda de energia, ou seja, todo o filme que Reli já viu muitas vezes. Reli tem o fígado abalado por certos alimentos ou pelo exagero de qualquer comestível. Tem que andar na linha, mas muitas vezes não o faz. Causa e efeito. Responsabilidade sua. Mas junto com sua dor houve a possível vinda de sua prima para cidade em que está vivendo. Seu marido viajaria e Reli não iria para pode dar atenção à parente. Dessa vez Reli não estaria visitando a mãe enquanto seu cônjuge viajava. Uma pequena mudança. Aproveitaria a cidade em que vive com um outro “outro”. Aconteceu também de uma amiga de sua Tia que passa por momentos difíceis ir lhe visitar. Essa amiga era velha conhecida de Reli. Ela havia ficado na casa que Reli morara por estar trabalhando fora de sua Terra. Outra mudança. Uma amiga sua e não por intermédio de seu marido no novo estado. E com ela, a troca de idéias e possibilidades de mais trocas. A mãe da afilhada de Reli também apareceu via internet cobrando atenção de dia das crianças de sua filha, afilhada de Reli, e a lembrança do aniversário de sua outra pequena. Outra mudança. Reli não se sentiu mal em falar a verdade do esquecimento do dia especial e da falta de conhecimento do aniversário da outra. Com essa resposta se sentiu inteira, chateada por não ter se lembrado, mas não culpada. Reli é assim. E por fim, sua grande amiga que tinha tido um entrevero apareceu em email dizendo que já tinha como se comunicar com Reli por voz via internet. Outra mudança. E Reli jogou “runas” pra saber o porquê de tanta dor; e essas falaram em transformação total de atitude deixando as trevas para trás. É fato que Reli não entende porque precisa vir com dor, mas é fato também que vem. Assim seja. Deus seja louvado. E que Reli continue focando no lado bom de sua dor já que a tem. Reli agradece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário